Trinta e oito

He better call Becky with the good hair

E é isso que ando fazendo/por isso estou sumida, sigo aprendendo a cantar as músicas da Beyoncé…

(Sorry, I ain’t sorry)

Algum tempo atrás, não me lembro o momento exato e o porque certeiro. Em certo momento desenvolvi no meu sistema um botão chamado foda-se. Um mecanismo que a princípio vi como de sobrevivência, que quando ligado supostamente me permitiria fazer somente o que queria. Pois veja, enquanto crescia foram me ensinando o que devia e não fazer; o que era conveniente para uma mocinha. Então, cansada, em um lapso mandei um foda-se para tudo, decidi realizar só o que gostaria. Vivi o vazio do: que se dane não quero, não preciso fazer.

Porém, infelizmente, não dá para viver fazendo só o que se bem quer; ou acha que quer. Não dá para negligenciar o mundo, as contas pra pagar, situações desagradáveis mas necessárias, aquela conversa para depois, aquele texto que você quer terminar mais a procrastinação não deixa.

Procrastinação… a palavra chave desse mecanismo. Porque na verdade, o que esse foda-se diz é: deixa isso pra lá, não há necessidade de fazer nada. Não é questão de sobrevivência, é autodestruição. Uma desculpa para minha covardia. Ao que, culpo o mundo, não a mim, pela procrastinação que me corrói, por toda a angústia que me submeto. Ansiava que isso fosse a liberdade das minhas escolhas, mas, me encontrei malfadada em outro cárcere. 

No fim, acaba sendo cansativo depois que se desenvolve esse mecanismo ter que diferenciar, aquilo que realmente não preciso fazer, daquilo que é desagradável mas precisa ser feito. Volto ainda, a uma antiga pergunta, o que quero? E o que estou disposta a fazer para conseguir? Não sei, às vezes sei e finjo que não sei. Às vezes só quero sumir e não enfrentar isso como a covarde que sou.

Nesses dias liguei meu botão de autodestruição sem perceber; acho que a gente nunca percebe. Paro para pensar o que fiz essa última semana e é um nada. Isso já vinha me incomodando, mas fui empurrando com a barriga. Até hoje. Não assisto muito o noticiário; eles foram logo descartados nesse processo. Porém hoje, passando de relance pela tv, acabei vendo o jornal bem no momento em que o número de mortes em 24hrs era mostrado. Aquele número, aqueles gráficos e estáticas, como os vários que vi na faculdade, só que agora eram vidas-perdidas. Aquilo desligou a roda de foda-se…foda-se de minha cabeça, a realidade me voltou. Posso descrever o ocorrido como um baque, como os romancistas gostam de retratar esses momentos de arrebatamento vividos por seus personagens. Sai de um surto interno para um externo. A realidade não anda nada legal, não é de se admirar querer fugir dela.

Vou voltar a cantar Beyoncé. Tentar transformar esse negócio de se autodestruir em sobrevivência, como minha intenção inicial. Pois, às vezes um foda-se é necessário, só tenho que aprender a distinguir quando.

Middle fingers up, put them hands high
Sorry – Beyoncé

3 comentários em “Trinta e oito

  1. Passei por algo semelhante na última semana. O tal do “ócio criativo” foi minha desculpa. Dizia para mim mesmo que precisava de um tempo para que minhas ideias “amadurecessem”. Percebi nos últimos dias que eu estava com preguiça até de pensar em desenvolver mentalmente uma ideia. Foi quando notei que, na verdade, eu não tinha ideia nenhuma em andamento, porque todas foram abandonadas. Levei um susto. O pior mesmo é quando comecei a tentar fazer várias coisas ao mesmo tempo em nome de outra coisa falsa: a produtividade.
    Nessas horas o jeito é parar, pensar e recomeçar de algum ponto que você sabe que é importante, mas que a insegurança insiste em dizer que não vale a pena ou para deixar para depois…
    Obrigado pelo texto!

    Curtido por 1 pessoa

    1. Para nossa preguiça inventamos varias desculpas né, amadurecimento de ideias é a que mais uso também; como se o texto fosse por magica ficar bom, maduro, sozinho. Se já tinha problemas com isso antes, agora ele nem existe pois tá tudo parado. É como você disse.
      Feliz pelo texto ter te ajudado de alguma forma; pelas minhas neuras fazerem sentido para alguém. Enfim, que dias melhores venham❤

      Curtido por 1 pessoa

      1. Sim, esperando o santo baixar e organizar tudo em regras ABNT. Até quem gosta deste lance de escrever tende a acreditar em certos mitos…
        Obrigado você por compartilhar suas “neuras”! E continue escrevendo elas. Taque o foda-se e gere conteúdo ❤️

        Curtido por 1 pessoa

Deixe um comentário

Faça o login usando um destes métodos para comentar:

Logotipo do WordPress.com

Você está comentando utilizando sua conta WordPress.com. Sair /  Alterar )

Imagem do Twitter

Você está comentando utilizando sua conta Twitter. Sair /  Alterar )

Foto do Facebook

Você está comentando utilizando sua conta Facebook. Sair /  Alterar )

Conectando a %s